Nota da Via Campesina Rondônia sobre o preço do leite

Em nota organizações da Via Campesina em Rondônia denunciam crise dos alimentos no estado e conclamam a população a apoiar mobilizações

Considerando o momento conjuntural no mundo em época de pandemia da COVID-19, com maior gravidade no Brasil devido a ausência de politicas públicas e existência de gestores incompetentes para com a população, a classe trabalhadora, do campo e da cidade, tem se manifestado através de greves e outras formas, atos públicos, buscando garantir o direito mínimo de sobrevivência econômica e social.

Em Rondônia, como já era esperado, desencadeou a crise da falta de preço na produção agrícola, em especial o leite, culminando em atos diversos e greves denominada GREVE DO LEITE.

Nós, Movimentos Sociais do Campo e entidades que compõem a Via Campesina em Rondônia declaramos apoio incondicional aos atos e greve. Em vários municípios do estado onde a Via Campesina tem base social organizada participamos ativamente e somamos nesta luta com os demais seguimentos sociais organizados ou não que estão indignados com esta situação.

Por outro lado os camponeses penalizados com a falta de preço do leite e contabilizando grandes prejuízos, também estão promovendo em vários municípios a doação de leite para a população que vivem nas cidades. Atos este de solidariedade e de combate à fome e a miséria causada pela ausência de políticas públicas e pelo Governo genocida que causa danos a população como um todo.

Enquanto Via Campesina conclamamos a sociedade como um todo a apoiar a agricultura familiar e camponesa, sendo esta responsável pela maioria da produção de leite e outros alimentos no estado de Rondônia. Todos os dias, madrugadas, com o cantar do galo, milhares de camponeses e camponesas, saem para um trabalho familiar árduo, que garante diariamente o leite presente nas mesas da população. E este trabalho tem que ser valorizado e respeitado.

Chamamos a atenção da sociedade para uma reflexão profunda, e perceber coletivamente que com o Governo Bolsonaro o custo de vida no campo e na cidade tem se tornado insuportável, com aumentos diários abusivos em vários produtos como: a gasolina, energia, insumos agrícolas, alimentos e outros produtos essenciais para o campo e a cidade.

Temos consciência que o problema principal não está somente no preço do leite, mas sim na falta de uma política de estado para o abastecimento e controle dos preços. Mesmo que haja aumento de alguns centavos no preço do leite seu valor continua atrelado ao dólar, e também ao preço do petróleo no mercado internacional, beneficiando os grandes empresários, faltando perspectivas para o pequeno e médio agricultor familiar, camponês e a para classe trabalhadora urbana.

A saída para este grande problema exige participação ativa de toda a sociedade. Depende de mudanças nas politica de estado e a existência de um estado que dê condições para os pequenos e médios produtores, camponeses para que possam produzir de forma diversificada articulada a outros mercados evitando os cartéis dos laticínios que sempre ficam com a maior parte do lucro. É importante garantir leis, financiamentos e subsídios construção de unidades e experiências produtivas cooperadas no estado de Rondônia vinculados as famílias de camponeses que são diretamente quem produz os alimentos e o leite que chegam em nossas mesas.

O momento conjuntural exigem atitudes e reflexões. Que país queremos para nós? É possível uma sociedade sobreviver com este preço elevado no custo da produção? Com aumentos abusivos de preços dos produtos no mercado? Com a defasagem do salário mínimo? Com o aumento de desemprego na cidade? Com a falta de preços e de políticas de incentivo a produção agrícola? Aonde os financiamentos públicos e subsídios agrícolas não chegam aos pequenos e médios agricultores? E possível sobreviver em um país onde o Ministério da Agricultura prioriza e investe apenas nos grandes empresários?

Nós da Via Campesina temos certeza, não podemos deixar estes governantes sem alma empobrecer e sucatear o nosso país. Destruir os recursos naturais e a nossa biodiversidade. A luta pelo preço justo no leite é legítima.

Queremos e precisamos produzir e ter as condições reais para ofertar à população do campo e da cidade a possibilidade de consumir os alimentos produzidos por nós.  

VIA CAMPESINA RONDÔNIA

Movimento dos Pequenos Agricultores –MPA

Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra-MST 

Comissão Pastoral da Terra – CPT

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 23/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rio Grande do Sul

NOTA | NÃO às barragens de Garabi-Panambi: Bolsonaro quer retomar projeto no rio Uruguai

Projeto estava suspenso desde 2015, na próxima quarta-feira (28), o assunto volta à pauta com governo querendo retomar a construção; atingidos são contra

| Publicado 09/12/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rondônia

Câmara dos Vereadores de Porto Velho atropela discussão do Plano Diretor; leia a nota

Entidades e associações repudiam atropelo da Câmara de Vereadores no processo de discussão do projeto de lei complementar nº 1139/2020, que dispõe sobre o Plano Diretor do município de Porto Velho.

| Publicado 13/11/2020 por Via Campesina

NOTA DE REPÚDIO DA VIA CAMPESINA AO SEQUESTRO E TORTURA DE MILITANTE DO MPA EM RONDÔNIA

Movimentos denunciam sequestro e tortura de militante do MPA em Rondônia no ultimo dia 7