Após novas chuvas, Atingidos da zona Leste de SP sofrem mais uma vez com enchentes

Mais de 400 famílias foram atingidas pelas enchentes do último fim de semana. Inundações na região se tornaram frequentes, após aterramento de piscinão

Na noite do último sábado (6), mais uma vez, as famílias da zona leste de São Paulo tiveram suas casas invadidas por águas das enchentes, perdendo colchões, móveis e eletrodomésticos. Nesse dia, em torno de 400 famílias perderam seus pertences, situação já recorrente para os moradores da Vila Seabra, Jardim Pantanal, Jardim Helena, Vila Itaim e Aimoré.

Moradores da região comentam como mesmo em épocas de estiagem como a atual, qualquer chuva mais forte acaba alagando ruas e casas. “Qualquer chuva que dá, novamente alaga, as famílias perdem tudo: colchões, alimentos, cobertores, móveis. É como se apagassem a história da pessoa e ela tivesse que recomeçar do zero novamente”, comenta Tamires Almeida Cruz de Paula. E acrescenta: “E tem a questão psicológica, qualquer chuva que dá, o povo começa a entrar em desespero”.

Qualquer chuva que dá, novamente alaga, as famílias perdem tudo: colchões, alimentos, cobertores, móveis. É como se apagassem a história da pessoa e ela tivesse que recomeçar do zero novamente”.

Tamires Almeida Cruz de Paula, moradora da região.


Nesse momento, além de conviver com as dificuldades que a pandemia da Covid-19 gera às famílias, somam-se os impactos constantes provocados pelas enchentes, que continuam atingindo seus pertences e suas vidas.

Após o aterro do antigo piscinão para a construção do parque da várzea do Tietê pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) do governo estadual, os bairros ficaram localizados abaixo da área do antigo escoamento do rio. Na ausência dessa área de escoamento, em épocas de muitas chuvas, as famílias sofrem com as enchentes devido ao assoreamento do aterro e, principalmente, quando as comportas da barragem da Penha são fechadas para não atingir a marginal Tietê, alagando os bairros da zona leste que ficam acima da barragem. Dessa vez, mesmo sem fechar as comportas, os bairros sofreram com as enchentes, que em poucos minutos viram suas casas alagadas.

Essa é a prova da falta de planejamento urbano e garantia de direitos por parte da prefeitura paulistana e do governo estadual às famílias da região, que há muito tempo denunciam a situação e reclamam pela reparação dos seus bens e direitos. Segundo Clarice Ferreira, moradora da Vila Seabra, “em março e abril as pessoas perderam tudo”. “É revoltante, e psicologicamente, crianças e idosos ficam mais atingidas. Isso vivenciamos em qualquer chuva, qualquer chuva de 20 minutos traz dano para as famílias”.

A mesma moradora acrescenta que após o aterro do parque e sem a limpeza dos córregos e do rio Tietê, a água alaga ruas e casas, demorando para escoar. “Deixamos claro à prefeitura que as casas iam alagar. E agora é muito o sofrimento, devido à quantidade de água, e a falta de limpeza dos córregos e do rio Tietê, as águas demoram mais para sair de dentro das casas”, conclui.

Nesse sentido, as famílias atingidas da zona leste de SP, junto ao MAB, vem denunciar a situação precária pelas quais as famílias são obrigadas a conviver, agravada pela atual conjuntura de pandemia. Exigimos da prefeitura um posicionamento, assim como a reparação das famílias atingidas, tanto de seus pertences como de ações que visem o fim das enchentes no local.

Campanha de solidariedade às famílias atingidas pelas enchentes

Diante dessa situação, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) vem pedir sua solidariedade! Você pode doar:

☑️ Colchões e cobertores

☑️ Alimentos

☑️ Produtos de higiene e limpeza

Você pode levar as doações para o seguinte local: Rua Araruta, n.28 – Vila Seabra, Zona Leste da cidade de São Paulo. Ou entrar em contatos com: Tamires (11) 98795-4679; Clarice (11) 98484-1585

Agradecemos sua ajuda!

Águas para a vida e não para a morte!

A solidariedade constrói direitos!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 05/06/2020

Coração da Divisa: documentário aborda conflito entre comunidade tradicional e mineradora

Exploração minerária colocará em risco território remanescente da mata atlântica em Minas Gerais

| Publicado 18/06/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Santa Catarina

Rompimento de barragem de água em Joaçaba, SC

Segundo a Defesa Civil, o barramento do reservatório cedeu devido ao grande volume de chuvas; MAB cobra atenção do poder público para evitar que casos como este sejam frequentes

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia