“Não temos apenas tetas, mas cabeça e força para conduzir o que queremos”

Cerca de 300 mulheres de diversos países da América Latina e Caribe participam hoje e amanhã (12 e 13) da 5ª Assembleia das Mulheres da CLOC – Via Campesina, que […]

Cerca de 300 mulheres de diversos países da América Latina e Caribe participam hoje e amanhã (12 e 13) da 5ª Assembleia das Mulheres da CLOC – Via Campesina, que tem como lema “Sem feminismo não há Socialismo”.

da Comunicação da CLOC – Via Campesina

“Somos 70% da população mundial e somos as primeiras produtoras de alimentos do planeta. Temos que saber disso, companheiras.” Com estas palavras, a zimbabuense Elizabeth Mpofu, da Secretaria política da Via Campesina Internacional, deu as boas vindas às centenas de mulheres camponesas que participam da 5° Assembleia das Mulheres da Coordenação Latinoamericana das Organizações do Campo (Cloc), na cidade de Buenos Aires, na Argentina.

Com uma história carregada de repressão e agressões por ser mulher, Elizabeth não pôde estudar, já que “sempre tinha que estar fazendo minhas tarefas de casa, e não podia me juntar com outras mulheres. Esta seguramente é a história de muitas das que estão aqui”.

Durante dois dias, cerca de 300 camponesas de diversos movimentos sociais do campo de toda a América Latina trazem o lema “Sem Feminismo não há Socialismo”, e debatem os desafios das mulheres camponesas frente ao agronegócio e a luta contra o sistema patriarcal.

Desde o 3° Congresso da Cloc as mulheres começaram a exigir que este espaço também expressasse a luta cotidiana e particular das camponesas. Ao estarem à frente da luta em seus territórios, também era preciso de um espaço autorganizado para que se encontrassem e debatessem suas especificidades.

“Também estamos aqui para conduzir e dizer que não temos apenas tetas, mas cabeça e força para conduzir o que queremos”, enfatizou a argentina Deolinda Carrizo, do Movimiento Nacional Campesino Indígena (MNCI)

Para ela, as mulheres não são apenas “cotas, somos também sujeitos dessa sociedade que queremos transformar e que estamos construindo; justa para todos e todas.”

Capitalismo e patriarcado

A naturalização entre o que é ser mulher e o que é ser homem seria a primeira coisa a se perguntar quando se fala sobre o tema do capitalismo e patriarcado, segundo Nalu Faria, da Marcha Mundial das Mulheres.

“Houve uma construção histórica, o que vivemos como desigualdade, como subordinação, como violência sobre as mulheres é parte da história de como as relações foram sendo construídas, por isso elas são passíveis de mudança”, acredita.

Como exemplo, Nalu trabalha a questão da maternidade. Segundo ela, por mais que seja algo que a maioria das mulheres desejem, nem todas querem ser mães. Porém, a sociedade vive afirmando a necessidade das mulheres serem mães, mas quando recusam a maternidade, dizem que algo está errado. “Nós aprendemos também que a sexualidade não tem que estar em função da maternidade, mas que as mulheres têm desejos sexuais”.

Nalu também fez questão de desconstruir a concepção que propaga que mulheres não tem participação nos espaços de luta dos movimentos sociais. “Uma coisa que desnaturalizamos é que a mulher não gosta de participar dos espaços. Fomos descobrindo justamente o contrário, que as mulheres estão presentes e estiveram presentes em todas as lutas dos povos. E muitas vezes quando as mulheres não se fazem presentes, não é porque não querem, mas porque de alguma maneira são impedidas de participar”.

Para ela, o capitalismo aprofundou esta divisão do trabalho, por isso sem o desmantelamento do patriarcado não é possível acabar com o capitalismo, “porque o capitalismo não está estruturado apenas numa divisão social do trabalho, mas também numa divisão sexual do trabalho”.

A 5° Assembleia das Mulheres da Cloc segue nesta segunda-feira (13). No dia seguinte, cerca de mil delegados de diversos movimentos sociais do campo da América Latina realizam a abertura do 6° Congresso Continental da Cloc, que será finalizado na próxima sexta-feira (17). 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho