MAB avança na produção de alimentos saudáveis no Vale do Jequitinhonha

Na tarde do dia 29 de maio cerca de 75 atingidos participaram do ato político de inauguração de uma unidade de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS) no município de […]

Na tarde do dia 29 de maio cerca de 75 atingidos participaram do ato político de inauguração de uma unidade de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS) no município de Virgem da Lapa, na região do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. O ato de inauguração é resultado de três dias de formação e mutirão no Instituto Nova Esperança em Virgem da Lapa. Ao todo na região serão construídas 25 unidades das 800 que o MAB está construindo no Brasil.

O Ato contou com a participação dos grupos de base das comunidades de Marimbondo, Limoeiro, Funil, Pianos, Francisco Badaró, além de diversas entidades como Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, Cáritas, Centro de Agricultura Vicente Nica (CAV), Associação de Promoção Infantil Social e Comunitária de Virgem da Lapa (APRISCO), INOVES, Pastoral dos Migrantes, Levante Popular da Juventude, entre outros.

O PAIS consiste em uma horta circular com um galinheiro no centro e um pomar em torno deste sistema onde se realiza produção de hortaliças frangos, ovos e frutas sem utilização de agrotóxicos e adubos químicos. A irrigação é feita por gotejamento que utiliza a água de forma econômica e eficiente, uma alternativa compatível para regiões do semiárido como o Vale do Jequitinhonha.

No município de Virgem da Lapa, serão construídas 18 unidades PAIS em 13 comunidades diferentes em Parceria com a APRISCO e com o Sindicato dos Trabalhadores rurais. “A parceria com o MAB é muito importante porque reforça a luta dos trabalhadores rurais”, afirma José Dias, presidente do sindicato.

Também para Mônica, coordenadora da APRISCO, essa parceria só está começando e reforça que o povo deve reivindicar seus direitos e não se deixar acomodar.

A militante do MAB na região, Aline Ruas, reafirmou a importância da articulação e mobilização. “Muitos atingidos tinham vazantes e se alimentavam de forma saudável, no entanto com a construção da Hidrelétrica de Irapé muitos foram os atingidos que tiveram suas vazantes alagadas. Esta é uma das muitas dividas que Irapé tem com os atingidos do Vale do Jequitinhonha. O MAB neste ato reforça que nós temos proposta de desenvolvimento para a região porque apenas nós, atingidos, conhecemos e lutamos pelos direitos e melhoria de vida do nosso povo”, ressaltou Aline.

A Capacitação de agricultores e a multiplicação das unidades do PAIS é mais uma conquista da luta dos atingidos por barragens que resultou na parceria entre o MAB, Fundação Banco do Brasil (FBB) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). Em Minas Gerais estão sendo implantadas 175 unidades, sendo 25 no Vale do Jequitinhonha.

 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho