Trabalhadores rurais da Via Campesina permanecem acampados em Porto Alegre

Os movimentos sociais que integram a Via Campesina permanecem acampados em frente ao Ministério da Fazenda e do Incra, na Avenida Loureiro da Silva, em Porto Alegre. A atividade faz […]

Os movimentos sociais que integram a Via Campesina permanecem acampados em frente ao Ministério da Fazenda e do Incra, na Avenida Loureiro da Silva, em Porto Alegre. A atividade faz parte da jornada nacional de lutas pela Reforma Agrária que busca a criação de uma Política Nacional Camponesa e que apresente alternativas às dificuldades enfrentadas no campo, garantindo condições técnicas para a produção de alimentos saudáveis.

Segundo Marcelo Leal da coordenação da Via Campesina, outros pontos de pauta da mobilização é a realização imediata da Reforma Agrária, a renegociação das dívidas dos pequenos agricultores, a compensação ambiental aos camponeses pela preservação da natureza e a desbancarização do crédito agrícola buscando recursos fora das normas rígidas do sistema financeiro.

Durante o dia de hoje (17) as organizações sociais realizam uma série de atividades para pressionar o governo estadual e federal a avançar nos pontos da pauta de reivindicação. Nesta manhã os agricultores seguem em marcha até a Secretaria da Educação com o objetivo de cobrar do governo investimentos na educação publica nas áreas de assentamentos.

Às 10 horas acontecerá uma audiência na superintendência da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), onde será apresentada uma proposta do plano camponês e cobrando melhores estruturas publicas estaduais de armazenagem e comercialização, construindo uma empresa pública de alimentos, forte e capaz de regular o mercado buscando construir a soberania alimentar.

Ás 16 horas será realizada uma vigília na praça da matriz em memória aos 21 camponeses assassinados no massacre de Eldorado dos Carajás, em 17 de abril de 1996, para cobrar o julgamento e prisão dos responsáveis pelas mortes e o fim da violência contra os trabalhadores rurais, que persiste e se intensifica cada vez mais.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho