Via Campesina ocupa Ministério da Fazenda em Porto Alegre

Na manhã desta terça feira (16), cerca de quatro mil trabalhadores ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Pequenos Agricultores […]

Na manhã desta terça feira (16), cerca de quatro mil trabalhadores ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD) e Levante Popular da Juventude ocuparam o Ministério da Fazenda, onde permanecerão acampados por tempo indeterminado.

As organizações sociais reivindicam a criação de uma Política Nacional Camponesa que apresente alternativas aos limites enfrentados no campo para acesso aos conhecimentos, à saúde, à moradia, ao saneamento básico, ao lazer, à cultura, bem como garanta as condições técnicas produtivas para a produção de alimentos saudáveis. Outros pontos de pauta são a realização da Reforma agrária, a renegociação das dívidas dos pequenos agricultores, a desbancarização do crédito agrícola e a compensação ambiental aos camponeses pela preservação da natureza. 

De acordo com Eloir Soares da coordenação do MAB, a Via Campesina vem debatendo e negociando junto ao Governo do Estado a criação de um Programa Campônes que beneficiaria os pequenos agricultores gaúchos. “Além de concretizar esse programa a nível estadual nossa luta reivindica que se amplie essa política nacionalmente beneficiando todos os camponeses”, conclui Soares.

Para Cedenir de Oliveira, da coordenação do MST, atualmente vivemos situações bem claras da necessidade de uma mudança no modelo de agricultura que é controlada em grande parte pelas grandes empresas do agronegócio. “A consequência disto é aumento freqüente nos preços dos alimentos, a contaminação por agrotóxicos e a existência de mais de um bilhão de pessoas que passam fome no mundo.” argumenta Cedenir.A mobilização integra a jornada nacional de lutas. 

O MST mantém atualmente 400 trabalhadores sem terra acampados em Brasília, no Acampamento Nacional Hugo Chávez, como forma de chamar a atenção do Governo para a urgência de assentar as 90 mil famílias que aguardam, em todo o País, que lhes seja assegurado o acesso à terra.  

Informações a imprensa:

(54)9926-7719-Neudicléia

(51)9733-8818-Cedenir

(55)9984-6568-Marcelo

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho