Via Campesina faz ato pelo fim da violência contra as mulheres

Hoje (8/4), às 20h, a Via Campesina faz um ato pelo fim da violência contra as mulheres. A atividade faz parte da programação do Encontro Nacional da Juventude – pelos […]

Hoje (8/4), às 20h, a Via Campesina faz um ato pelo fim da violência contra as mulheres. A atividade faz parte da programação do Encontro Nacional da Juventude – pelos direitos dos atingidos e por um projeto energético popular, organizado pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Uma representante da Secretaria Especial de Política para as Mulheres estará presente no ato.

A Campanha Pelo Fim da Violência Praticada Contra as Mulheres tem como foco central todas as formas de violência, física ou psicológica, exercida contra as mulheres do campo, mas também quer dar visibilidade à violência praticada contra todas as mulheres do mundo. Ela terá um caráter de denúncia e pretende desmistificar a naturalização da violência. “Queremos mostrar que a violência é estrutural em uma sociedade capitalista e patriarcal”, dizem as mulheres da Via Campesina.

A Campanha foi inicialmente lançada na 5ª Conferência Internacional da Via Campesina, em Moçambique, em 2008. “Lá, as mulheres camponesas assumiram o compromisso de eliminar todas as formas de violência contra as mulheres enfrentendo as causas dela. A Via Campesina Brasil também deve assumir este compromisso planetário”, enfatizou Soniamara Maranho, do Movimento dos Atingidos por Barragens.

O Encontro Nacional da Juventude começa hoje, no Centro Comunitário Athos Bulcão, da Universidade de Brasília (UnB) e vai até o dia 12/4.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho