Via Campesina Brasil lança campanha pelo fim da violência contra as mulheres

Ontem (20/01), a II Planária Nacional da Via Campesina Brasil lançou a Campanha Mundial Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres. A campanha tem como foco central todas as formas […]

Ontem (20/01), a II Planária Nacional da Via Campesina Brasil lançou a Campanha Mundial Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres. A campanha tem como foco central todas as formas de violência, física ou psicológica, exercida contra as mulheres do campo, mas também quer dar visibilidade à violência praticada contra todas as mulheres do mundo. Ela terá um caráter de denúncia e pretende desmistificar a naturalização da violência. “Queremos mostrar que a violência é estrutural em uma sociedade capitalista e patriarcal”, dizem as mulheres.

Adriana Mezarios, do Movimento das Mulheres Camponesas do Brasil, apontou os mecanismos que o capitalismo e o patriarcado utilizam para dominar as mulheres. Segundo ela, a dependência econômica – causada pelo desemprego ou subemprego; o casamento e a religião – que colocam a mulher como uma propriedade dos homens; o controle sobre o corpo – que determina se a mulher tem que ter filhos ou não, além de lucrar com a prostituição, são alguns elementos que diminuem a participação política da mulher.

A Campanha foi inicialmente lançada na 5ª Conferência Internacional da Via Campesina, em Moçambique, em 2008. “Lá, as mulheres camponesas assumiram o compromisso de eliminar todas as formas de violência contra as mulheres enfrentendo as causas dela. A Via Campesina Brasil também deve assumir este compromisso planetário”, enfatizou Isabel Diniz, da Comissão Pastoral da Terra.

Os movimentos sociais do campo presentes na Plenária assumiram o compromisso de pensar qual metodologia e quais materiais serão usados na implementação da campanha nas regiões.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho